Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Drogas e etc  >  Diversos

Procaína

Paulo Gentil

06/10/2003

A procaína foi preparada pela primeira vez em 1905, consistindo-se em um anestésico local muito usado em procedimentos odontológicos, funcionado através do bloqueio da iniciação e condução do impulso nervoso através da diminuição da permeabilidade da membrana do axônio dos neurônios aos canais de íons sódio. Além do efeito anestésico, possui efeito anti-depressivo, devido à inibição da enzima monoamino oxidase (MAO). 

Apesar de seu uso original ser o citado acima, atualmente procura-se vender procaína com outrasfinalidades como, por exemplo, tratamento das seguintes condições patológicas: síndrome da fadiga crônica; depressão; distúrbios de comportamento; problemas de aprendizado (diminuição da compreensão e/ou da concentração); dificuldade de leitura e/ou fala; distúrbios compulsivos e/ou impulsivos e demência senil. Também são prometidos diversos efeitos positivos como: aumento da memória, aumento da capacidade de aprendizado, melhora do humor, aumento da energia mental e física, aumento da liberação de GH ou simplesmente como "fonte da juventude". 

Relata-se que o uso estético de procaína foi iniciado pela médica romena Anna Aslan há mais de 50 anos, a qual teve diversos artistas e celebridades em sua lista de pacientes. Dentre a lista de nomes famosos que supostamente (segundo os vendedores) usaram a procaína estão Mao Tse Tung, Silvester Stallone, De Gaule e Marylin Monroe, aqui no Brasil a lista inclui Juscelino Kubtischek, Roberto Marinho e Pelé.

Metabólitos

Quanto metabolizada no organismo, a procaína libera o ácido paraminobenzóico (PABA ou vitamina H) e o Dimetilaminoetanol (DMAE ou Deanol), aos quais atribuem-se os papéis de anti-rugas e "limpador do cérebro", respectivamente. No caso do PABA, o efeito anti-rugas ainda não foi comprovado quando ingerido, porém a atribuição provavelmente deve-se ao fato desta substancia ser usada em protetores solares, mas acredito que passar protetor solar e ingerir seus componentes deva ser diferente. Já ao DMAE é atribuído um efeito um pouco mais fantástico: "limpar a cérebro", apagando o sofrimento e o medo. Na verdade vejo muito perigo nesta proposta, pois há diversas substâncias com "finalidades" parecidas que se mostraram nocivas e foram legalmente proibidas como LSD, cocaína, ecstasy, heroína, morfina, etc. Efeitos supostamente mais realistas como melhoras na inteligência e memória não possuem comprovação científica segura, pelo contrário, há estudos relatando a ineficiência da suplementação de DMAE na melhora da memória e funções cognitivas (FERRIS et al, 1977).

GH e Cortisol

Antes de comprar qualquer estimulador de GH, é importante conhecer melhor este hormônio, inicialmente duas informações são essenciais:

- O aumento na concentração de GH ainda não está indubitavelmente relacionado com ganhos significativos de massa muscular ou força (veja mais detalhe em GH - mitos e verdades)

- O GH é extremamente pulsátil, com o simples ato de segurar a respiração aumentando sua quantidade significativamente (fato citado no texto Glutamina).

Portanto o uso de estimuladores de GH não faria nenhum sentido em sua base teórica, mesmo que realmente aumentassem a liberação deste hormônio acima dos níveis normais, porém o caso da procaína é ainda mais grave, pois há estudos científicos categóricos ao afirmar que esta substância não estimula a secreção de Hormônio do Crescimento (KLING et al, 1987; KELLNER et al 1987).

O fato de uma substância inibir o cortisol também não se constitui em um grande milagre tendo em vista que este hormônio é liberado em situações de estresse, desta forma a diminuição dos níveis de cortisol é rápida e facilmente conseguida com a adequação de sua alimentação, treino e descanso. Interessante frisar que o cortisol é um componente de nosso sistema que existe com uma finalidade específica, e não uma entidade maligna inserida em nosso corpo para nos destruir. 

Se fossemos nos preocupar somente com o cortisol, em uma visão reducionista, bastaria comer uma barra de chocolates que tudo estaria resolvido, tendo em vista a relação inversa entre cortisol e insulina. O problema não e o cortisol, mas sim o estresse. Portanto, mesmo que existissem estudos sobre a procaína no sentido de inibir o cortisol, este argumento seria pífio e inconsistente para justificar seu uso.

Efeitos no sistema nervoso e sintomas psiquiátricos

Os efeitos do Gerovital H3 (uma forma de procaína) vêm sendo estudados há algumas décadas, em 1975 ZUERLING et al publicaram um estudo onde se procurou verificar o efeito da procaína na habilidade cognitiva, relacionamento interpessoal, sintomas psiquiátricos e análise de sangue e urina de pacientes da psiquiatria geriátrica. Os pacientes receberam injeções de 5 ml de Gerovital ou placebo durante seis semanas, aumentando a quantidade para 10 ml nas três semanas seguintes. Os resultados do estudo foram inconsistentes com uma grande variabilidade de medidas, levando os autores a concluir que o Gerovital H3 não tem efeito positivo no funcionamento psicológico nem fisiológico destes pacientes. Depois de ZUERLING, diversos outros estudos mostraram a ineficiência desta forma de procaína (OLSEN et al, 1978; RISSANEN et al, 1990).
Uma revisão de literatura de 1977 coletou 285 artigos e textos, englobando um total de mais de 100 mil pacientes e foi bem claro ao afirmar que "exceto por um possível efeito antidepressivo não há evidencias convincentes de que a procaína (ou o Gerovital, o qual é o principal componente da procaína) tenha algum valor no tratamento de doenças em pacientes idosos" (OSTFELD et al, 1977). Fato corroborado em 1984, quando GOODNICK & GERSHON relataram que não existem evidencias para embasar o uso de Gerovital.

É interessante notar que, ao que parece, os estudos com esta substância foram praticamente interrompidos há duas décadas devido à sua comprovada ineficiência. Porém a propaganda exagerada e infundada sobre o produto está o fazendo ressurgir, apesar de sua aparente inutilidade, tanto que 21 anos após a conclusão de OSTFELD, um estudo de caso foi publicado relatando a ocorrência de rabdomiólise e isuficiencia renal devido à administração de Procaína (SOMSEN & SCHUT, 1998).

Conclusão

Até o momento, não se pode afirmar que exista necessidade nem benefícios em se usar procaína. O fato de artistas ou pessoas conhecidas terem usado (ou estarem usando) e aparentarem bem-estar não configura justificativa racional para iniciar uma intervenção. Se fossemos procurar relatos aprofundados veríamos que há milhares de outras pessoas que não obtiveram nenhum benefício através da procaína, como os 100 mil englobados pela revisão de OSTFELD. Se fossemos estudar casos isolados poderíamos ainda citar os malefícios que a substancia produziu no paciente do estudo de SOMSEN & SCHUT. Porém isto jamais será citado por alguém que deseja enriquecer através da propaganda, assim como o fato da procaína poder gerar reações alérgicas em grande parte das pessoas ou o perigo que inibidores da monoaminoxidase (IMAO) podem oferecer quando combinados com outras substâncias, como o álcool. Também se falará muito pouco que o efeito anti-depressivo da procaína poderá causar dependência (por isso talvez seu uso seja tão apreciado e os relatos de quem usa sejam normalmente positivos), em um estado de euforia artificial e incompleto.

Outro ponto que é pouco abordado é o fato da intervenção baseada na procaína, normalmente abranger atividades físicas, dietas e uma forte abordagem psicológica, fatores que podem ser os verdadeiros causadores dos efeitos positivos reais, como relata João Roberto D. Azevedo em seu livro "Ficar Jovem Leva Tempo....Um Guia Para Viver Melhor".

Se existe preocupação com problemas no envelhecimento a dica é simples: tenha hábitos saudáveis no tocante a atividade física e alimentação e atitude positiva em relação à vida. Caso precise de apoio nestas questões procure os profissionais responsáveis (Educador Físico, Nutricionista e Psicólogo) ao invés de iniciar um perigoso processo de auto-medicação. Lembre-se que ninguém poderá lhe vender saúde ou felicidade, independente do quão fácil e agradável isso possa parecer, mas um bom profissional pode lhe dar orientações em sua área de conhecimento.

 

Referências


FERRIS SH, SATHANANTHAN G, GERSHON S, CLARK C. Senile dementia: treatment with deanol. J Am Geriatr Soc. 1977 Jun;25(6):241-4.
GOODNICK P, GERSHON S. Chemotherapy of cognitive disorders in geriatric subjects. J Clin Psychiatry. 1984 May;45(5):196-209
KELLNER CH, POST RM, PUTNAM F, COWDRY R, GARDNER D, KLING MA, MINICHIELLO MD, TRETTAU JR, COPPOLA R. Intravenous procaine as a probe of limbic system activity in psychiatric patients and normal controls. Biol Psychiatry. 1987 Sep;22(9):1107-26. 
KLING MA, KELLNER CH, POST RM, COWDRY RW, GARDNER DL, COPPOLA R, PUTNAM FW, GOLD PW. Neuroendocrine effects of limbic activation by electrical, spontaneous, and pharmacological modes: relevance to the pathophysiology of affective dysregulation in psychiatric disorders. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 1987;11(4):459-81. 
OLSEN EJ, BANK L, JARVIK LF. Gerovital-H3: a clinical trial as an antidepressant. J Gerontol. 1978 Jul;33(4):514-20.
OSTFELD A, SMITH CM, STOTSKY BA. The systemic use of procaine in the treatment of the elderly: a review. J Am Geriatr Soc. 1977 Jan;25(1):1-19. 
RISSANEN V, RISSANEN P, TUOMISTO J. Procaine (Gerovital): no effect on the rehabilitation result in patients with back or hip disease. Ann Med. 1990 Jun;22(3):151-6. 
SOMSEN GA, SCHUT NH. Acute renal failure due to self-medication. Neth J Med. 1998 Jul;53(1):45-6. 
ZWERLING I, PLUTCHIK R, HOTZ M, KLING R, RUBIN L, GROSSMAN J, SIEGEL B. Effects of a procaine preparation (Gerovital H3) in hospitalized geriatric patients: a double-blind study. J Am Geriatr Soc. 1975 Aug;23(8):355-9.