Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Fisiologia

É possível envelhecer com saúde?

Bruno Fischer

12/06/2002

Ainda hoje o conceito de saúde pode ser confundido e expressado apenas como a ausência de doenças, porém a Organização Mundial de Saúde (OMS) há muito tempo já definiu saúde como o estado em que o indivíduo se encontra em perfeito bem-estar físico, mental e social. Ou seja, um estado de equilíbrio entre todos os aspectos do ser humano, e este equilíbrio dificilmente será atingido sem que nos esforçamos para isto. Muitos são os cuidados a serem tomados e quanto mais cedo dermos atenção a eles, mais eficiente serão nossas atitudes. 

O processo de envelhecimento varia bastante entre as pessoas e é influenciado tanto por fatores genéticos quanto pelo estilo de vida. Especialistas em envelhecimento acreditam que poderíamos viver em média até 120 anos se o estilo de vida e o perfil genético fossem ideais. Um estudo feito nos Estados Unidos pela universidade de UCLA com mais de seis mil pessoas, demonstrou diferenças de mortalidade drásticas entre aqueles que seguiam sete hábitos saudáveis simples (nunca fumar, ingestão moderada de álcool, tomar café da manhã, não petiscar, dormir em média oito horas por noite, exercitar-se regularmente e manter o peso ideal) e aqueles que não os seguiam. Aqueles que seguiram os sete hábitos saudáveis apresentavam taxa de mortalidade muito menor, e foi estimado que viveriam em média nove anos a mais do que aqueles que não praticavam. 

Uma forma já sabida de manter uma boa saúde e melhorar a qualidade de vida é a prática regular de atividade física. De todos os grupos etários , as pessoas idosas são as que mais se beneficiam com os exercícios. O risco de muitas doenças e problemas de saúde comuns na velhice (ex. doenças cardiovasculares, câncer, hipertensão arterial, depressão, osteoporose, fraturas ósseas e diabetes) diminui com a atividade física regular. 

A algum tempo atrás quando se falava em exercício físico para idosos, a orientação que se dava era para que realizassem uma caminhada leve. Esse conceito estava equivocado, pois pouquíssimos benefícios podem ser obtidos com a realização de exercícios de endurance (aeróbios) leves. Estudos tem demonstrado que exercícios de endurance intensos ou, no mínimo, moderados podem favorecer alguns aspectos físicos como o aprimoramento da capacidade cárdio-respiratória e mudanças na composição corporal com a diminuição dos níveis de gordura corporal (MEREDITH E FRONTERA et al,1989 ;GORAN E POEHLMAN,1992; SHABERG-LOREI,1990; SHUARTZ et al,1991 E 1992; MORIO et al,1999) 

Sabemos que a diminuição da força muscular e a flexibilidade são as maiores limitações para as atividades da vida diária. Agachar e levantar, subir e descer escadas, levantar objetos pesados, banhar-se e vestir-se são exemplos de atividades prejudicadas pela diminuição da força e flexibilidade. Exercícios aeróbios podem aprimorar o sistema cardiovascular, mas pouquíssima influencia no aumento da força e flexibilidade, sendo necessário um outro tipo de estímulo, que consiste na prática de exercícios resistidos (popularmente conhecidos como musculação). Diversos estudos tem demonstrado que os exercícios de força (musculação) são uma maneira viável e efetiva para aumentar a força e massa muscular, reduzir os níveis de gordura corporal e conter a fragilidade física (FIANTORE et al,1994; DUPLER E CORTES,1993; SIPILA E SUOMINEN,1995; FRONTERA et al,1988; WOOD et al, 2001; MORGANTI et al 1995) Um estudo de Fiantore et al, 1990 concluiu que o treinamento intenso de força aumenta de forma significativa a força muscular e a mobilidade funcional em idosos com mais de 96 anos. Diversos outros estudos tem demonstrado a eficiência da musculação na melhoria das capacidades funcionais do organismo, como a velocidade, o equilíbrio e a flexibilidade em idosos (ALEXANDER et al,2001; FATOUROS et al, 2002; BROCHU et al, 2002; JUDGE et al, 1993 E FLECK E KRAEMER 1991). Podemos concluir que os exercícios de força contribuem muito para o aprimoramento de todas as capacidades funcionais necessárias para o indivíduo manter uma ótima aptidão física 

Ainda não foi descoberta a pílula ou a fonte da juventude, portanto o melhor que temos a fazer é adotar um estilo de vida saudável para prevenir os males do envelhecimento. Uma dieta bem balanceada e atividade física regular juntamente combinadas com espiritualidade e afetividade em alta constituem a melhor forma de chegar na terceira idade com muita saúde. Cabe a nós, idosos do presente ou do futuro, acreditar e trabalhar por isso.

 

Referências


ALEXANDER NB, GALECKI AT, GRENIER ML, NYQUIST LV, HOFMEYER MR, GRUNAWALT JC, MEDELL JL, FRY-WELCH D.Task-specific resistance training to improve the ability of activities of daily living-impaired older adults to rise from a bed and from a chair. J Am Geriatr Soc 2001 Nov;49(11):1418-27 
BROCHU M, SAVAGE P, LEE M, DEE J, CRESS ME, POEHLMAN ET, TISCHLER M, ADES PA.Effects of resistance training on physical function in older disabled women with coronary heart disease. J Appl Physiol 2002 Feb;92(2):672-8 
DUPLER TL, CORTES C. Effects of a whole-body resistive training regimen in the elderly. Gerontology 1993;39(6):314-9 
FATOUROS IG, TAXILDARIS K, TOKMAKIDIS SP, KALAPOTHARAKOS V, AGGELOUSIS N, ATHANASOPOULOS S, ZEERIS I, KATRABASAS I.The effects of strength training, cardiovascular training and their combination on flexibility of inactive older adults. Int J Sports Med 2002 Feb;23(2):112-9 
FIATARONE MA, MARKS EC, RYAN ND, MEREDITH CN, LIPSITZ LA, EVANS WJ.High-intensity strength training in nonagenarians. Effects on skeletal muscle. JAMA 1990 Jun 13;263(22):3029-34
FIATARONE MA, O'NEILL EF, DOYLE N, CLEMENTS KM, ROBERTS SB, KEHAYIAS JJ, LIPSITZ LA, EVANS WJ. The Boston FICSIT study: the effects of resistance training and nutritional supplementation on physical frailty in the oldest old. J Am Geriatr Soc 1993 Mar;41(3):333-7 
JUDGE JO, LINDSEY C, UNDERWOOD M, WINSEMIUS D. Balance improvements in older women: effects of exercise training. Phys Ther 1993 Apr;73(4):254-62; discussion 263-5
FLECK SJ, STONE MH, TRIPLETT NT, KRAEMER WJ. Health- and performance-related potential of resistance training. Sports Med 1991 Apr;11(4):210-31 
JUDGE JO, UNDERWOOD M, GENNOSA T. Exercise to improve gait velocity in older persons. Arch Phys Med Rehabil 1993 Apr;74(4):400-6 
MEREDITH CN, FRONTERA WR, FISHER EC, HUGHES VA, HERLAND JC, EDWARDS J, EVANS WJ. Peripheral effects of endurance training in young and old subjects. J Appl Physiol 1989 Jun;66(6):2844-9 
MEREDITH CN, FRONTERA WR, O'REILLY KP, EVANS WJ. Body composition in elderly men: effect of dietary modification during strength training. J Am Geriatr Soc 1992 Feb;40(2):155-62 
FIATARONE MA, O'NEILL EF, RYAN ND, CLEMENTS KM, SOLARES GR, NELSON ME, ROBERTS SB, KEHAYIAS JJ, LIPSITZ LA, EVANS WJ.Exercise training and nutritional supplementation for physical frailty in very elderly people. N Engl J Med, 330:1769-75,1994. 
SCHABERG-LOREI G, BALLARD JE, MCKEOWN BC, ZINKGRAF SA.Body composition alterations consequent to an exercise program for pre and postmenopausal women. J Sports Med Phys Fitness 1990 Dec;30(4):426-33 
SIDNEY KH, SHEPHARD RJ, HARRISON JE. Endurance training and body composition of the elderly. Am J Clin Nutr 1977 Mar;30(3):326-33