Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Suplementos  >  Performance, Saúde e outros

Creatina x Câncer

Paulo Gentil

17/05/2001

Inicialmente não parecia haver necessidade de se preocupar quanto ao alarde do possível efeito carcinogênico atribuído a creatina, dada a freqüência com que este tipo de noticias surgem. Porém os efeitos do posicionamento francês tomaram proporções monstruosas, no mundo inteiro se comentou e ainda comenta-se o assunto. Portanto houve necessidade ser dado o MEU posicionamento sobre o assunto.

Câncer

Muito se ouve falar sobre câncer, mas pouco realmente sabe-se sobre suas causas, para esclarecer um pouco a questão, será dada uma explicação rápida e superficial.

O câncer é causado por mutações e/ou atividades anormais da célula, que desregulam seu crescimento e mitose, fazendo com que as células cancerosas não tenham limitações no desenvolvimento e se espalhem com facilidade, competindo com as células saudáveis pelos nutrientes.

Apesar da incrível precisão com que as células são formadas e das diversas medidas de segurança tomadas pelo corpo para evitar a produção de células mutantes, pode ser que uma em alguns milhões ainda venha com defeito. Ainda assim, apenas uma pequena fração destas células mutantes poderá gerar câncer, tento em vista sua baixa capacidade de sobrevivência, controle de feedback e ação do sistema imunológico. Para o desenvolvimento de um câncer são necessárias ocorrências simultâneas de determinadas mutações (efeitos combinados de oncogenes). Portanto o aparecimento do câncer é a combinação de muitos fatores aliados a uma circunstância apropriada.

Alguns fatores que podem aumentar a probabilidade de câncer são:

- radiação.

- substâncias irritantes.

- hereditariedade.

- alguns tipos de vírus.

- substâncias químicas (onde querem incluir a creatina)..

A origem do tumulto

O posicionamento da AFSSA (Agence française de sécurité sanitaire des aliments) publicado em 23 de janeiro de 2001 fala sobre a possibilidade de se encontrar impurezas na creatina e sugere um risco potencial de câncer, alegando falta de estudos epidemiológicos em longo prazo. Na verdade este famigerado trabalho não passa de um texto "anticientífico" com quatro páginas escritas por alguém sem muito conhecimento no assunto, repleto de erros e afirmações questionáveis. Textos como esse podem ser encontrados em milhares de páginas na internet e revistas como Boa forma e cia, não há nele requisitos que sugiram credibilidade, ou ao menos originalidade. Todo o furor foi gerado pela divulgação que se deu ao assunto, não se sabe ao certo quem começou, mas sabe-se que fez bastante estrago.

Creatina e câncer

Apesar de tentativas incompreensíveis e inacreditáveis de relacionar este peptídeo ao câncernenhum deles deve ser levado a sério, dada a falta de evidências Na verdade existem alguns estudos sugerindo um efeito positivo da creatina no combate ao câncer (JEONG et al, 2000; KRISTENSEN et al, 1999; SCHIFFENBAUER et al, 1996; ARA et al, 1998 e MILLER et al, 1993).

- JEONG et al (2000) usaram ciclocreatina (substância análoga a creatina) para tratar o câncer no fígado induzido por substâncias químicas, como resultado obtiveram inibição da gênese das células cancerosas.

- KRISTENSEN et al, (1999) relatam que, tanto a ciclocreatina quanto a creatina, têm mostrado efeito inibitório no crescimento de tumores. Os autores realizaram um experimento com a finalidade de verificar estas afirmações e obtiveram resultados positivos com ambas substâncias, sendo que a quantidade total de creatina nos tecidos obteve a melhor correlação com a inibição do tumor.

- SCHIFFENBAUER et al, (1996) afirmam que a ciclocreatina inibe tanto o crescimento quanto à proliferação de tumores, verificando este efeito em carcinomas no ovário humano.

- ARA et al, (1998) usaram análogos de creatina e fosfato de creatina após implantações de tumores e encontraram efeitos positivos com estas substâncias, além de alterações hormonais favoráveis.

- MILLER et al, (1993) verificaram os efeitos da ciclocreatina e da creatina na proliferação de tumores. Neste estudo o uso de creatina chegou a inibir o desenvolvimento de tumores em mais de 50%!

Considerações finais

Em primeiro lugar, o posicionamento da AFSSA não deve ser levado em conta, fica o alerta para tomarmos cuidado com o sensacionalismo de matérias escritas de forma irresponsável e sem bases. O autor cometeu vários erros graves: não explicou de onde tirou a teoria e não deu nenhumareferência suportando-a, além disso, não há no texto nenhuma referência dos estudos nem dos especialistas que o posicionamento francês afirma existirem. Um alerta do posicionamento francês que não pode ser negado é o risco de encontrarmos impurezas dentro dos suplementos de creatina, por isso a necessidade de testes por órgãos específicos, de preferência governamentais.

Tendo em vista a dificuldade em afirmar como, quando ou porquê o câncer se desenvolve não há como assegurar que o uso de creatina será seguro em todas as circunstâncias. Mas posso dizer com certeza que não existe suporte suficiente para ligar a suplementação de creatina ao desenvolvimento de células cancerosas. Como dito em outro artigo (ver "Creatina"), a creatina é um dos suplementos mais estudados da história e se alguém disser que não existe pesquisa suficiente sobre o tema, ou é pessimamente informado ou deve estar procurando no lugar errado. 

Resumindo, a creatina tem sido usada há mais de dez anos e, pelo que se sabe de fisiologia, bioquímica e mecanismos de atuação deste peptídeo, é improvável que seu uso possa levar a produção de células cancerosas, pelo contrário existem evidências que ela pode ajudar a combater o desenvolvimento de tumores.

***leia mais sobre sobre o assunto em "Creatina"***

 

Referências


ARA G, GRAVELIN LM, KADDURAH-DAOUK R, TEICHER BA Antitumor activity of creatine analogs produced by alterations in pancreatic hormones and glucose metabolism. In Vivo 1998 Mar-Apr;12(2):223-31
JEONG KS, PARK SJ, LEE CS, KIM TW, KIM SH, RYU SY, WILLIAMS BH, VEECH RL, LEE YS. Effects of cyclocreatine in rat hepatocarcinogenesis model. Anticancer Res 2000 May-Jun;20(3A):1627-33
KRISTENSEN CA, ASKENASY N, JAIN RK, KORETSKY AP. Creatine and cyclocreatine treatment of human colon adenocarcinoma xenografts: 31P and 1H magnetic resonance spectroscopic studies. Br J Cancer 1999 Jan;79(2):278-85
MILLER EE, EVANS AE, COHN M. Inhibition of rate of tumor growth by creatine and cyclocreatine.Proc Natl Acad Sci U S A 1993 Apr 15;90(8):3304-8
SCHIFFENBAUER YS, MEIR G, COHN M, NEEMAN M. Cyclocreatine transport and cytotoxicity in rat glioma and human ovarian carcinoma cells: 31P-NMR spectroscopy. Am J Physiol 1996 Jan;270(1 Pt 1):C160-9.