Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Treinamento  >  Ganho de Massa Muscular

Variações em exercícios de musculação - Panturrilha

Diógenes Alves

01/01/2002

Uma visão anatômica e biomecânica dos exercícios relacionados ao tríceps sural (Panturrilha). 

Pelo próprio motivo histórico da musculação, grandes fisiculturistas criaram variações de exercícios básicos, na procura sempre de proporcionar o maior desgaste possível da musculatura trabalhada, como também, procurando trabalhar diversas porções musculares, variando as angulações. Entretanto, através da pesquisa em eletromiografia, os pesquisadores nacionais e internacionais desmistificaram que estas variações poderiam proporcionar a estimulação de outras fibras musculares. 

Este artigo tem como objetivo esclarecer algumas variações usadas hoje em dia e que alguns ‘’experts’’ ainda afirmam possuir efeitos. Como primeira etapa de um conjunto de artigos iremos desmistificar alguns conceitos ainda aplicados ao treinamento de resistência no grupo muscular tríceps sural (panturrilha). 

Variações da posição dos pés na flexão plantar sentado. 

O primeiro erro são estas variações no aparelho sentado (mais conhecido como ‘’burrinho’’) com calcanhares aduzidos e abduzidos (CARNAVAL, 2001), em que o gastrocnêmio poderia ser afetado pela sua variação na origem das suas 2 cabeças. O ventre lateral tem sua origem no côndilo lateral do fêmur e o ventre medial tem sua origem logo acima do côndilo medial do fêmur (DANGELO & FATTINI, 1991.), entretanto, devido a esta mesma origem, estes músculos estão em posição encurtada (RASCH, 1991), tendo estes músculos uma atuação reduzida para o movimento, e conseqüentemente uma atuação mais intensa do músculo sóleo. Conclusão: os gastrocnêmios não podem potencializar suas contrações musculares. 

Variações da posição dos pés na flexão plantar em pé 

Alguns poderiam, então, acreditar que estas variações poderiam ser eficazes na execução em pé (DELAVIER, 2000), porém com o joelho totalmente estendido as rotações lateral e medial seriam no nível de coxa, ou seja, de todo membro inferior e não somente na região da perna o que não teria efeito nenhum para o tríceps sural. Teria efeito apenas com uma leve flexão de joelho, citado por RASCH (1991), em que uma leve rotação do joelho é permitida o que novamente iria gerar relaxamento dos músculos, e não um estiramento passivo (lembrando da importância do pré-estiramento para a contração muscular), o que não permitiria a potencia máxima de contração dos músculos (KAPANDJI,1990). 

Conclusão (como treinar a panturrrilha) 

As variações de angulações, pegadas e posições podem ser eficazes no recrutamento de outrasfibras musculares não presente nos exercícios básicos, porém, estes fatos não podem ser utilizados no grupamento do tríceps sural. Para um bom resultado neste grupo o interessante não seria o volume trabalhado chegando para alguns em torno de 45 minutos (ARNOLD, 2001) o que seria um tempo ideal para um treino inteiro e não somente de um grupo muscular. 

Trabalhos contínuos como qualquer outro grupo muscular, realizando o trabalho em toda sua amplitude (HAUSSINGER, 1990 & MILLWARD, 1995) como também a utilização de métodos de choques ou de sobrecarga metabólica (ARNOLD, 2001) devido a constituição das fibras musculares serem de resistência (HAY, 1985) e alavanca do tornozelo ser uma alavanca de força (HAY, 1985 & RASCH, 1991) podem proporcionar formas eficientes para ganhos nesta região.

 

Referências


CARNAVAL, Paulo Eduardo. Cinesiologia da Musculação – Rio de Janeiro: Sprint (2001). 

DANGELO, J. G. Fattini, C. A. Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicos.Livraria Atheneu Editora – Rio de Janeiro – São Paulo ( 1991). 

DELAVIER, Fréderic. Guia dos Movimentos de Musculação - Abordagem Anatômica l, Editora Manole Ltda. – São Paulo (2000). 

HAUSSINGER, D., et al.., “Cell Swellimg Inhibits Proteolysis in Perfused Rat Liver.’’ Biochem. J. 272.1 (1990): 239-242. 

HAUSSINGER, D.,et al., “Cellular Hydration State: An Important Determinanant of Protein Catabolism in Health and Disease, “Lancet 342.8856 (1993): 1330-1332. 

HAY, James G., Neid, J. Gaving. As Bases Anatômicas e Mecânicas do Movimento Humano. Ed. Prentice – Hall do Brasil, Rio de Janeiro, 1985. 

KAPANDJI, I. A., Fisiologia Articular – Esquemas Comentados de Mecânica Humana. Editora Manole Ltda –(1990). 

MILLWARD, D.J.,”A Protein-Stat Mechanism for Regulation of Growth and Maintenance of the Lean Body Mass,”Nutr. Res. Rev. ( !995) : 93-120. 

RASCH, Philip J., Cinesiologia e Anatomia Aplicada, Editora abaram Koogan S.A. - Rio de Janeiro (1991). 

SCHWARZENEGGER, Arnold., Enciclopédia de Fisiculturismo e Musculação, Artmed Editora, (2001). 

SILVA, da Lauro Ivo Jr., Manual de Bandagens Esportivas. Editora Sprint Ltda, Copyright (1999).