Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Treinamento  >  Saúde, Dicas e outros

Controle de intensidade no ciclismo indoor

Gustavo Lopes Fernandes

12/11/2008

Muito tem se discutido sobre as formas diretas e indiretas de avaliar o esforço físico de cada indivíduo. Pois, o controle da intensidade propicia a realização de um exercício seguro e ajustado aos objetivos de cada praticante, visando benefícios, em médio e longo prazo, com menor risco de lesões e sobrecargas. Entretanto, nota-se uma grande dificuldade para adequar os percentuais de freqüência cardíaca e entender como utilizar a Percepção Subjetiva de Esforço (PSE).

No Ciclismo Indoor (CI) a intensidade corresponde à somatória de algumas variáveis como cadência da pedalada, resistência na roda, freqüência cardíaca, duração e técnica. Entretanto, o equipamento utilizado geralmente não possui indicador de carga ou potência gerada. Sendo assim, o meio mais comum para prescrever e controlar a intensidade de esforço é a Freqüência Cardíaca (FC) (SILVA et al., 2004).

A magnitude da resposta da FC é influenciada pela idade, posição corporal, aptidão cardiorespiratória, tipo de atividade, presença de doença cardíaca, medicações (tais como betabloqueadores), volume sanguíneo e fatores ambientais (MCARDLE, 2003). Ou seja, vemos aí um primeiro sinal de alerta para o controle da intensidade somente pela utilização desta variável.

Além disso, o controle da intensidade por meio da FC exige que cada praticante conheça o seu valor máximo e se possível os seus limiares de treinamento, o que só é possívelcom a realização de avaliações funcionais específicas, tais como a ergoespirometria e a medida do lactato sanguíneo. Como infelizmente, esta não é uma realidade da grande maioria dos praticantes, normalmente são utilizadas fórmulas de predição da FC máxima, sendo a mais comum (220 – idade). O grande problema é que essa equação apresenta um erro considerável, podendo funcionar bem para alguns e muito mal para outros (POLICARPO & FERNANDES FILHO, 2004).

Eis que surge a necessidade de utilizarmos fórmulas que levem em consideração a individualidade e a especificidade de cada modalidade. Como exemplo, a equação desenvolvida por Jones (1985) para ciclistas homens e mulheres saudáveis, de 15 a 71 anos, parece se adequar à realidade do CI (202 - 0,72a - "a" é igual à idade de cada sujeito). Entretanto, o ideal seria elaborar e validar uma equação de predição da FC máxima específica para os praticantes da modalidade.

Uma alternativa mais simples é o controle da intensidade do exercício por meio da PSE, muito utilizada na fisiologia do exercício. Santos e Cunha Júnior (2006), por exemplo, analisaram uma sessão de Ciclismo Indoor em 20 mulheres de 15 a 47 anos de idade e verificaram que a PSE representa uma forma mais fidedigna de mensurar o nível de esforço despendido do que a própria FC. Estes achados estão de acordo com Silva et al. (2005) e John e Schuler (1999) ao demonstrarem que a PSE apresenta-se como uma alternativa importante na prescrição do CI.

Entre as escalas de PSE, as mais conhecidas são a escalas de 15 pontos, que varia de 6 a20 e a escala que varia de 0 a 10 (CR10), ambas desenvolvidas por Borg (1981,1982 e 1998). Esta última escala se assemelha bastante ao modelo proposto pelo Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), principalmente na prescrição de exercícios para idosos e grupos especiais (NELSON,et al. 2007).

Outra opção que parece se adequar bem ao CI é a escala OMNI-Ciclismo (figura 1) que possui descritores visuais específicos do ciclismo e pode ter uma grande aplicação prática na modalidade.

Contudo, podem surgir dificuldades na interpretação dessas escalas havendo necessidade de uma boa familiarização com o método. Isso exige que em alguns momentos sejam utilizados métodos ainda mais simples para verificar o esforço de nossos alunos, tal como a Freqüência Respiratória (FR) que pode ser dividida em respiração normal, ofegante, ou muito ofegante. Este método, que não é validado cientificamente, se explica pois, com a maior demanda de oxigênio, principalmente em maiores intensidades de exercício, uma maior quantidade de sangue chegará aos pulmões. Conseqüentemente, a produção de dióxido de carbono aumenta, fazendo com que o centro respiratório (bulbo) seja estimulado a aumentar a freqüência respiratória (MCARDLE, 2003).

Exatamente por conta deste mecanismo que a FC normalmente apresenta grande relação com a FR e conseqüentemente com a PSE, sendo todos esses parâmetros importantes para controlar a intensidade no exercício cíclico.No entanto, ainda restam dúvidas sobre qual seria o melhor método de controle da intensidade do exercício. Na verdade, não existe o melhor e sim parâmetros mais adequados ao momento e ao perfil de cada aluno. Na dúvida, como existe relação entre todos os métodos aqui expostos, não se limite a apenas um deles.

 

Referências Bibliográficas

 

DENADAI, B. S; RUAS, V. D. A; FIGUEIRA, T. R. Efeito da cadência de pedalada sobre as respostas metabólica e cardiovascular durante o exercício incremental e de carga constante em indivíduos ativos. 2004.
DOMINGUES FILHO, L. A. Ciclismo Indoor: Guia teórico Prático. Editora Fontoura Jundiaí, SP. 2005 JOHN, D.H.; SCHULER, P. Accuracy of using RPE to monitor intensity of group indoor stationary cycling. Medicine & Science in Sports & Exercise, v. 31, n. 5 supplement, 1999. MCARDLE, WILLIAM D.; KATCH, FRANK I.; KATCH, VICTOR L.; TARANTO , GUISEPPE (Trad.).Fisiologia do exercício : energia, nutrição e desempenho humano. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.
NELSON, M.E. et al. Physical activity and public health in older adults: recommendation from theAmerican College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine & Science in Sports & Exercise, n. 39: 1435-1445, 2007.
POLICARPO & FERNANDES FILHO. Usar ou não a equação de estimativa (220 – idade)?. Revista Brasileira Ciência e Movimento; 12(3): 77-79, 2004.
SILVA, A. C .et al. Estimativa do limiar de Conconi por meio da escala de Borg em cicloergômetro. Fitness & Performance Journal, v. 4, n. 4, p. 215 – 219, 2005.
SILVA, R. A.,OLIVEIRA, B. H., BARBOSA, F. P. & FERNANDES FILHO, J. Concentração de lactato sanguíneo em aulas de ciclismo indoor de intensidade submáxima: um estudo piloto http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Ano 10 - N° 79 - Dezembro de 2004.