Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios

Treinamento  >  Ganho de Massa Muscular

Atividade física e tabagismo

Julio Papeschi

01/11/2010

A organização mundial da saúde aponta o tabagismo como a principal causa de morte evitável do mundo e o tabagismo passivo como a terceira causa de morte evitável ficando atrás somente do alcoolismo (World Health Organization; 2008; INCA, 2009).

Os números que cercam o tabagismo e a indústria tabagista são impressionantes: 1,5 bilhões de indivíduos, maiores de 15 anos, são tabagistas, que consomem mais de 7 trilhões e 30 bilhões de cigarros anualmente, o que equivale a 200.000 quilos de nicotina diária (Rosemberg, 2002; Banco Mundial, 1999; Clinical Practice Guideline Treating Tobacco Use and Dependence 2008), que causam impactos ambientais e sócio-econômicos monstruosos. (Ministério da Saúde 2004)

No Brasil, o número de fumantes ultrapassa os 27 milhões, e o número de cigarros consumidos mais de 150 bilhões de cigarros por ano. Dados do sistema único de saúde de 2005, relatam gastos na ordem de R$ 338.692.516,02 em custos diretos de internações por doenças ocasionadas pelo consumo de alguma forma de preparado de tabaco, como cigarro, cachimbo, narquilé, mascado, rapé, entre outras. (Araújo, 2008). Previsões alarmantes dão conta de que no ano de 2020 aproximadamente 30 milhões de pessoas morrerão por ano vítimas de doenças causadas pelo tabagismo. No Brasil esse número beira a casa dos 200.000 anuais. (Pinto et al., 2010, Ministério da Saúde, 2004; INCA, 2009). 

Crianças e jovens merecem atenção especial. Filhos de pais fumantes desenvolvem um risco muito maior de serem tabagistas do que aqueles que não possuem pais fumantes (Ling et al., 2004).Estima-se que mais da metade das crianças no mundo estejam expostas à poluição resultante da fumaça do tabaco. A idade média do início do tabagismo é por volta dos 13 anos (Galduróz et al., 1997). Sasco et al. 2002, encontrou correlação negativa entre a prática de exercícios e o tabagismo em pré-adolescentes. Outros pesquisadores também encontraram associação negativa entre o tabagismo e qualquer nível de atividade física em jovens. (Rodriguez et al., 2008; Ward et al., 2003). 

Embora dependa de aspectos subjetivos e individuais, a qualidade vida avaliada através de instrumentos desenvolvidos para esta finalidade, se mostra inferior em fumantes e a expectativa de vida, é abreviada, chegando a ser 10 anos menor do que não fumantes. (American Psychiatric Association, 1996; Ferrucci et al., 1999; Boutelle et al., 2000; Boyle et al., 2000; Haapanen-Niemi 1999).

A queima do cigarro gera mais de 4720 substâncias químicas tóxicas diferentes sendo que 60 delas tem atividade cancerígena e outras viciantes. São diversas as doenças causadas pelo tabagismo, entre elas se destacam aquelas relacionadas ao trato respiratório, e ainda mais diversos tipos de neoplasias malignas, doenças nos sistemas cardiovascular, digestivo, geniturinário, na gestação e no feto, entre outras. (Centers for Disease Control and Prevention, 1990; American Thoracic Society, 1996; Guideline Update Panel, Liaisons, and Staff, 2008)

Embora o número no Brasil tenha caindo nas últimas décadas, sendo metade do que há 20 anos, o número elevado de fumantes ainda expõe, e denuncia, a ineficiência em políticas públicas de combate ao tabagismo. O pacote MPOWER da Organização Mundial da Saúde sugere como políticas de ação ao combate a dependência, a aplicação de proibições da publicidade do tabaco, da promoção e do patrocínio, oferecer ajuda para deixar o consumo de tabaco, elevar os impostos, advertências sobre os perigos do uso, a contra propaganda, a proteção das pessoas de fumarem tabaco e o monitoramento do consumo de tabaco e das políticas de prevenção, entre outras. (WHO, 2008)

Somente entre 2% e 4% dos fumantes que desejam parar de fumar tem êxito, no entanto 80% dos fumantes desejam para de fumar. A grande causadora desta falta de êxito vem em função de sua substância ativa de maior destaque: a nicotina. (Hughes et al., 1992;) 
A ação da nicotina no cérebro dura em média 40 minutos produzindo alterações diversas no organismo como: taquicardia, aumento do estado de vigília, euforia, etc. (DuPont et al., 1995).

Por ser classificada como uma droga de reforço, repetidas doses devem ser utilizadas para evitar os sintomas de usa ausência. Esses sintomas são chamados de abstinência e essa é a maior causa no insucesso na interrupção do uso do cigarro pois o forte desejo de fumar leva ao insucesso na maior parte dos tratamentos (Cleopatra et al., 2005; Stolerman et al., 1991; West et al., 1989).

Mecanismos que levam a dependência 

Após absorvida (pela pele, inalada ou oralmente) a nicotina, que é considerada pela maior parte dos estudos, como o agente responsável pela dependência do tabaco, é transportada pelo sangue podendo alterar os sistemas cardiovascular, endócrino e digestivo antes mesmo de chegar ao cérebro. No cérebro se liga a receptores colinérgicos nicotínicos da acetilcolina específicos nas sinapses do tipo alfa4 e beta2, onde possui maior afinidade em preferência aos seus receptores naturais acetilcolina. Quando os receptores são ativados por duas moléculas de nicotina liberam canais de membrana para o transporte de íons de potássio, sódio e cálcio que desencadeiam impulsos elétricos que geram potenciais de ação que se propagam rapidamente, chegando a áreas de recompensa tegmental ventral no cérebro que liberam neuro transmissores incluindo a dopamina. Esta agirá aumentando a atividade de neurônios localizados no núcleo accubens que é responsável pela sensação de prazer, satisfação e recompensa. (Sargent, et al., 1993; Neil, 2001)

Os receptores nas sinapses modificam sua conformidade se tornando cada vez mais resistentes a ação da nicotina necessitando doses cada vez maiores para que o circuito de liberação da dopamina atinja as mesmas condições passadas. Quando os níveis de nicotina no sangue diminuem e a sensação de prazer é diminuída sintomas como irritabilidade, desejo de fumar, ansiedade, falta de concentração, aumento no apetite, entre outros são observados. (Pontieiri et al. 1996)

Diversas são as estratégias para o auxílio dos fumantes a cessação da dependência do tabagismo e no aumento das taxas de abstinência (deRuiter et al., 2006). Dentre elas estão a reposição da nicotina através de adesivos, gomas de mascar ou spray nasal, uso de farmacológicos e o aconselhamento de profissionais da área da saúde. A chance de êxito chega a ser de duas a três vezes maiores quando o tabagista procura auxílio para a cessação. Porém com exceção do aconselhamento estratégias que envolvam a reposição de nicotina ou uso de antidepressivo com ação primária de inibir a recaptação de monoaminas como a dopamina e a adrenalina, ou que possam agir na mesmo receptora da nicotina no cérebro reduzindo o desejo de fumar e os sintomas de abstinência associados, podem apresentar efeitos colaterais adversos e não podem ser recomendadas para todas as pessoas. (Silagy et al., 2004; Jorenby et al., 1999; Hurt et al., 1997; Gorin et al., 2004)

Embora diversas pesquisas tenham mostrado uma relação inversa entre o tabagismo e os níveis de atividade física, poucos estudos tem mostrado a atividade física como uma estratégia interessante na cessação do tabagismo a longo prazo. (Van Rensburg et al., 2009; Boutelle et al. 2000; Boyle et al. 2000; Takemura et al. 2000; US Department of Health & Human Services. 1990)

Marcus et al 1999 utilizou o exercício como estratégia em um programa voltado para a cessação do tabagismo e na manutenção da interrupção em um grupo de 281 mulheres sedentárias fumantes de um maço de cigarro por dia. Os indivíduos foram divididos em dois grupos, sendo que um grupo praticou atividades de alta intensidade três vezes por semana durante 12 semanas e o outro grupo participou de palestras educativas. A Abstinência ao fumo foi verificada através da coleta de saliva para a medição dos níveis de nicotina. Os resultados se mostraram significativos aos três e aos doze meses após a intervenção do exercício na cessação do fumo, sendo que o grupo controle não apresentou resultados significativos. Anteriormente, Marcus et al. (1991), já haviam demonstrado a eficiência do exercício na cessação do tabagismo, regulação do humor e controle de peso através da intervenção com atividades físicas.

Prapavessis et al. 2007, encontrou resultados similares, no entanto a estratégia envolveu além dos exercícios a combinação com o uso de terapia de reposição de nicotina. Os índices de abstinência verificados pela quantidade de cotinina na saliva e monóxido de carbono espirado permaneceram mais alto por um período de doze meses, pós intervenção, associados a menores ganhos de peso e melhoria na capacidade aeróbia do que os grupos controles.

Quando avaliamos a eficiência de um programa de cessação do tabagismo, os sintomas de retirada e o desejo de fumar são as principais causas de insucesso no tratamento da dependência (Van Rensburg et al.,2009; Prochaska et al; 2008).

Como efeito agudo um volume maior de pesquisas indicam a atividade física como uma estratégia eficiente (Janse Van Rensburg et al., 2008; Taylor et al., 2007; Scerbo et al., 2010) . A atividade física parece ter efeitos similares ao de hábito de fumar do ponto de vista dos processos neurobiológicos e na estimulação do sistema nervoso central. (Russel et al., 1983; Disman et al., 2006). O que não está claro ainda é a magnitude desse efeito diante de diversas formas de prática da atividade física, no entanto pequenos períodos de atividade (dez minutos), já contribuem para reduções significativas no desejo de fumar e nos sintomas de abstinência (Prochaska et al., 2008).

Taylor et al., 2007, realizaram uma revisão de artigos para avaliar os efeitos de uma única sessão de treinamento, no alívio de sintomas da dependência do tabaco como o desejo de fumar, nos sintomas da síndrome da abstinência e no humor. Dos doze estudos analisados, comparados às condições passivas, os grupos que realizaram atividade física apresentavam resultados significativamente maiores na abstinência, como o desejo de fumar e os sintomas de retirada. Embora não tenham sido encontradas diferenças significativas entre atividades de alta ou baixa intensidade, os exercícios de alta intensidade sustentaram a alta da abstinência por maior tempo.

Everson et al, compararam diferentes intensidades de exercícios para avaliar os efeitos da atividade física no desejo de fumar, nos sintomas da síndrome da abstinência e no humor. Os indivíduos foram submetidos a 10 minutos de exercícios em bicicleta ergométrica em intensidades diferentes 40%-59% FCR, 60%-84% FCR, ou a condição passiva (grupo controle). Ambas as intensidades promoveram resultados positivos de atenuação nos sintomas de abstinência e sintomas de retirada. No entanto o humor ficou alterado negativamente no grupo de intensidade mais elevada.

Em uma outra revisão Ussher et al., 2006, avaliaram 13 estudos, para determinar a importância da atividade física na interrupção do tabagismo em fumantes ou ex-fumantes recentes. Somente o estudo de Marcus et al., 1999, apresentou eficiência para o período de 12 meses 

Pouco material foi produzido com treinamento de força. Ussher et al., 2006 verificaram os efeitos de cinco minutos de treinamento isométrico em fumante após um período de abstinência seguido de um período de sono. Foram avaliados os sintomas da retirada (depressão, estresse, tensão, concentração e inquietação) e desejo de fumar, 5, 15 e 20 minutos após o exercício. Resultados significativamente positivos foram encontrados somente com 5 minutos após o exercício nos sintomas de abstinência. Esses achados foram confirmados em um recente estudo do mesmo autor ampliando os efeitos significativamente positivos para trinta minutos pós intervenção em fumantes pós período noturno de abstinência (Ussher 2009).

Possivelmente o tamanho das amostras, associados as diferentes metodologias de aplicação nos protocolos de exercícios e também a avaliação de diferentes parâmetros de abstinência possa levar a dados não conclusivos sobre a magnitude eficiência da atividade física.

São necessários mais estudos para esclarecer a abrangência da atividade física como ferramenta na cessação do tabagismo e para alívio nos sintomas de retirada e no desejo de fumar. No entanto, a literatura científica, já apresenta bons indícios para a prescrição dos exercícios físicos como forma de tratamento da dependência do tabaco.

 

Referências


2008 PHS Guideline Update Panel, Liaisons, and Staff. Treating tobacco use and dependence: 2008 update US Public Health Service Clinical Practice Guideline executive summary. Respir Care 2008;53:1217-22.
American Thoracic Society. Cigarette smoking and health. Am J Resp Crit Care Med 1996;153:861-5
Araújo AJ. Custo-efetividade de intervenções de controle do tabaco no Brasil. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção da Coordenação de Programas de Pós Graduação (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008; p 182
Banco Mundial, 1999. A epidemia do tabagismo: Os governos e os aspectos econômicos do controle do Tabaco. The World Bank, agosto.
Boutelle K N, Murray DM, Jeffery RW, Hennrikus DJ, Lando HA. Associations between exercise and health behaviors in a community sample of working adults. Preventive Medicine 2000;30:217–24.
Boyle RG, O Connor P, Pronck N, Tan A. Health behaviors of smokers, ex-smokers, and never smokers in an HMO. Preventive Medicine 2000;31:177–82.
Centers for Disease Control and Prevention. Cigarette smoking-atributable mortality and years of potential life lost, United States. MMWR 1990;42:645-9.
Clinical Practice Guideline Treating Tobacco Use and Dependence 2008 Update Panel, Liaisons, and Staff. A clinical practice guideline for treating tobacco use and dependence: 2008 update. A U.S. Public Health Service report. Am J Prev Med. 2008 Aug;35(2):158-76.
deRuiter W, Faulkner G. Tobacco harm reduction strategies: the case for physical activity. Nicotine Tob Res. 2006 Apr;8(2):157-68.
Doll R, Peto R, Boreham J, Sutherland I. Mortality in relation to smoking: 50 years observations on male British doctors. BMJ. 2004 Jun 26;328(7455):1519. Epub 2004 Jun 22.
DuPont RL, Gold MS. Withdrawal and reward: implications for detoxification and relapse prevention. Psychiatric Annals. 1995;25(11):663-8. 
Ferrucci L, Izmirlian G, Leveille S, Phillips CL, Corti MC, Brock DB, Guralnik JM. Smoking, Physical Activity, and Active Life Expectancy Am. J. Epidemiol. (1999) 149 (7): 645-653.
Galduróz JCF, Noto AR, Carlini EA. Têndencias do uso de drogas no Brasil: síntese dos resultados obtidos sobre o uso de drogas entre estudantes de 1º e 2º graus em 10 capitais brasileiras. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas - Cebrid/Unifesp; 1997.
Gorin SS, Heck JE. Meta-analysis of the efficacy of tobacco counseling by health care providers. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2004 Dec;13(12):2012-22.
Haapanen-Niemi N, Miilunpalo S, Vuori I, Pasanen M, Oja P.The impact of smoking, alcohol consumption, and physical activity on use of hospital services. Am J Public Health. 1999 May;89(5):691-8.
http://www.inca.gov.br/tabagismo/
Hughes JR, Gulliver SB, Fenwick JW, Valliere WA, Cruser K, Pepper S, et al.Smoking cessation among self-quitters. Health Psychology 1992;11:331–4.
Hurt RD, Sachs DP, Glover ED, Offord KP, Johnston JA, Dale LC, Khayrallah MA, Schroeder DR, Glover PN, Sullivan CR, Croghan IT, Sullivan PM. A comparison of sustained-release bupropion and placebo for smoking cessation. N Engl J Med. 1997 Oct 23;337(17):1195-202.
Janse Van Rensburg K, Taylor AH. The effects of acute exercise on cognitive functioning and cigarette cravings during temporary abstinence from smoking. Hum Psychopharmacol. 2008 Dec;23(8):725.
Jorenby DE, Leischow SJ, Nides MA, Rennard SI, Johnston JA, Hughes AR, Smith SS, Muramoto ML, Daughton DM, Doan K, Fiore MC, Baker TB. A controlled trial of sustained-release bupropion, a nicotine patch, or both for smoking cessation. N Engl J Med. 1999 Mar 4;340(9):685-91.
Ling PM, Glantz AS. Tobacco industry research on smoking cessation. Recapturing young adults and other recent quitters. J Gen Intern Med. 2004 May;19(5 Pt 1):419-26. Review.
Marcus BH, Albrecht AE, Niaura RS, Abrams DB, Thompson PD. Usefulness of physical exercise for maintaining smoking cessation in women. American Journal of Cardiology 1991;68:406–7.
Neil E. Grunberg A neurobiological basis for nicotine withdrawal Proc Natl Acad Sci U S A. 2007 November 13; 104(46): 17901–17902. 
Organização Panamericana da Saúde; .Brasil. Ministério da Saúde. Tabaco e pobreza, um círculo vicioso: a convenção quadro de controle do tabaco: uma resposta. Brasília; Brasil. Ministério da Saúde; 2004. 171 
Pinto MFT, Ugá MA. The cost of tobacco-related diseases for Brazil s Unified National Health System. Cad Saude Publica. 2010 Jun;26(6):1234-45.
Planeta, Cleopatra S; Cruz, Fábio C. Bases neurofisiológicas da dependência do tabaco Rev. psiquiatr. clín. (São Paulo);32(5):251-258, set.-out. 2005
Pontieri FE, Tanda G, Orzi F, Di Chiara G. Effects of nicotine on the nucleus accumbens and similarity to those of addictive drugs. Nature. 1996 Jul 18;382(6588):255-7
Prochaska JJ, Hall SM, Humfleet G, Munoz RF, Reus V, Gorecki J, Hu D. Physical activity as a strategy for maintaining tobacco abstinence: a randomized trial. Prev Med. 2008 Aug;47(2):215-20. Epub 2008 May 16.
Rodriguez D, Dunton GF, Tcherne J, Sass J. Physical Activity and Adolescent Smoking: A Moderated Mediation Model. Mental Health and Physical Activity 2008
Rosemberg, J. Pandemia do tabagismo – Enfoques Históricos e Atuais São Paulo – SES, 2002.
Russell PO, Epstein LH, Erickson KT. Effects of acute exercise and cigarette smoking on autonomic and neuromuscular responses to a cognitive stressor. Psychological Reports 1983;53:199–206.
Sasco AJ, Laforest L, Benhaim-Luzon V, Poncet M, Little RE. Smoking and its correlates among preadolescent children in France. Preventive Medicine 2002;34:226–34.
Scerbo F, Faulkner G, Taylor A, Thomas S. Effects of exercise on cravings to smoke: the role of exercise intensity and cortisol. J Sports Sci. 2010 Jan;28(1):11-9.
Silagy C, Lancaster T, Stead L, Mant D, Fowler G. Nicotine replacement therapy for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2004;(3):CD000146.
Stolerman IP. Behavioural pharmacology of nicotine: multiple mechanisms. Br J Addict 1991;86:533-6.
Takemura Y, Sakurai Y, Inaba Y, Kugai N. A cross-sectional study on the relationship between leisure or recreational physical activity and coronary risk factors. Tohoku Journal of Experimental Medicine 2000;192:227–37.
Taylor AH, Ussher MH, Faulkner G. The acute effects of exercise on cigarette cravings, withdrawal symptoms, affect and smoking behaviour: a systematic review. Addiction. 2007 Apr;102(4):534-43.
US Department of Health & Human Services. The health consequences of smoking cessation: A report of the Surgeon General. Rockville, MD: Public Health Service, Office on Smoking & Health, 1990.
Ussher M, Cropley M, Playle S, Mohidin R, West R. Effect of isometric exercise and body scanning on cigarette cravings and withdrawal symptoms. Addiction. 2009 Jul;104(7):1251-7.
Ussher M, West R, Doshi R, Sampuran A. Acute effect of isometric exercise on desire to smoke and tobacco withdrawal symptoms. Hum Psychopharmacol Clin Exp. 2006;21:39-46.
Ussher MH, Taylor A, Faulkner G. Exercise interventions for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2008 Oct 8;(4):CD002295.
Ussher MH, Taylor AH, West R, McEwen A. Does exercise aid smoking cessation? A systematic review. Addiction. 2000 Feb;95(2):199-208.
Van Rensburg KJ, et al. Acute exercise modulates cigarette cravings and brain activation in response to smoking-related images: an fMRI study. Psychopharmacology (2009) 203:589–598.
Ward KD, Vander Weg MW, Klesges RC, Kovach KW, Elrod MC,D eBon M, et al. Characteristics of highly physically active smokers in a population of young adult military recruits. Addictive Behaviors 2003;28:1405–18.
West R, Hajek P, Belcher M. Severity of withdrawal symptoms as apredictor of outcome of an attempt to quit smoking. Psychological Medicine 1989;19:981–5.
WHO Report on the global Tobacco epidemic, 2008,: The MPOWER package. Geneva: World Health Organization; 2008.